SISTEMA APOGEO

Quem somos

Conheça a trajetória do APOGEO que começa, conceitualmente, em meados de 1940, vindo para o Brasil em 1951 e aprimorado a partir da década de 80 até alcançar o formato atual.

MIRIAM TSUGAWA

Analista Comportamental Integral Perfil APOGEO desde 2013. Palestrante, orientadora e facilitadora de cursos e treinamentos relacionados ao desenvolvimento humano. “Bacharel em Letras com habilitação em tradução e Interpretação da língua inglesa pela Faculdade Ibero-Americana.

Pós-graduada em terapias holísticas vibracionais e Ativista Quântica certificada pelo físico Dr. Amit Goswami.” Master Coach há 15 anos, com certificações internacionais pelo ICI (Integrated Coaching Institute), ICI (International Coaching Institutes), ECA (European Coaching Association), practitioner em PNL pela Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística.

PAULO DEMESTRI

Analista de sistemas, programador e administrador de empresas, especialista em avaliação comportamental. Coach formado pelo ICI – International Coaching Institutes. Responsável pela supervisão e desenvolvimento do Método APOGEO.

Ao longo de 10 anos atuou em conjunto com o psicoterapeuta Dr. Bachir Haidar Jorge e equipe na fundamentação do Método APOGEO. Desde 1999 envolvido com o estudo teórico e prático da personalidade integral.

Orienta empresários, coachs e gestores de RH na aplicação e aproveitamento das soluções APOGEO.
Consultor de Recursos Humanos atuando, principalmente, no ambiente corporativo.

BACHIR HAIDAR JORGE

No início da década de 50, Dr. Bachir Haidar Jorge, médico psicoterapeuta, um dos iniciadores da psicoterapia em grupo em São Paulo, área em que atuou por mais de 50 anos, conheceu o trabalho do Dr. Willian Sheldon e passou a estudá-lo, integrando os conceitos da psicologia constitucional do Dr. Sheldon a seu trabalho clínico, obtendo bons resultados.

Segundo Dr. Bachir, era impossível conhecer uma pessoa sem conhecer sua natureza (constituição), o meio onde se desenvolveu, e sem procurar entender seus esforços na busca de equilíbrio e desenvolvimento. A partir do pensamento do Dr. Bachir, nasceu outro pilar do APOGEO, o conceito da Personalidade Integral. A Personalidade Integral é composta pela influência dos fatores constitucionais, fatores sociais, meio ambiente/meio social e desenvolvimento pessoal. Para medir a influência dos fatores constitucionais, foi construído um questionário baseado nas entrevistas efetuadas pelo Dr. Sheldon sobre temperamento.

Para avaliar a influência dos fatores sociais na formação da personalidade, ou “persona”, construímos um questionário baseado em uma combinação de vários conceitos, entre eles o estudo do Dr. Carl Jung sobre as quatro funções do Ego. Para medir o estágio de desenvolvimento, utilizamos um indicador de autoconhecimento e identificamos uma correlação desse indicador com aspectos da maturidade. O trabalho de construção do APOGEO iniciou-se em 1999, fizeram parte dessa construção: a fundamentação de conceitos e construção de mapas comportamentais; a criação de um modelo estatístico integrado a um crivo avaliador; a identificação e formatação de indicadores que representam a personalidade integral, a criação de um modelo de competências e relatórios descritivos.

A letra “A” do nome APOGEO simboliza o início, o primeiro passo a ser dado para alcançar o ápice profissional e para viver a vida com plenitude, em apogeu.

WILLIAM H. SHELDON

A pesquisa do Dr. William H. Sheldon, Médico e Psicólogo norte americano, nome central na pesquisa da Psicologia Constitucional, é um dos pilares do APOGEO. Dr. Sheldon, em seu primeiro livro “Psychology and the Promethean Will” (Harpers, 1936), sugeriu que a psicologia necessitava de um sistema para descrever as diferenças básicas entre os seres humanos e deveria se construir um método para descrever quantitativamente as variações físicas entre os indivíduos.

Sheldon acreditava que, para sistematizar a ciência do comportamento humano, seria preciso uma classificação descritiva da estrutura do comportamento: a constituição física. William H. Sheldon trabalhou como pesquisador em importantes institutos e universidades norte-americanas, com destaque para as universidades de Harvard, Colúmbia, Califórnia, Oregon e para o Center for Research in Human Constitutional Variation (em Cambridge, Massachusetts).

Dr. Sheldon efetuou medições do corpo e entrevistas, com o objetivo de isolar e avaliar os elementos básicos do temperamento: emoção, sensação e razão. Construiu uma metodologia para tabular as informações obtidas e estabeleceu uma fórmula comum, correlacionando aspectos constitucionais (somatotipos) com aspectos psicológicos (psicotipos).